quarta-feira, dezembro 08, 2010

Guia da Cerveja Vagabunda

Recebi por e-mail e cacei a fonte. Conheçam o Resenha em 6, meu novo vício.
E vamos ao que interessa:

Guia da Cerveja Vagabunda

MALTA: "Abre Uma" é o seu slogan, conselho que você não deve seguir nem sob tortura soviética. Mais fétida que cabelo rastafári, lembra Cebion com caldo de Viviane Araújo Knorr. Tão lastimável que se fosse a única bebida alcoólica do mundo, imediatamente eu iria para o AA: “Oi, meu nome é Raphael, é minha 6ª passagem por aqui. Pretendo me livrar do álcool e, dependendo da mensalidade da Univer$al, virar evangélico."


BAVARIA CLÁSSICA: Já vão longe os tempos em que Zezé, Chitão e outros sertanejos cantavam seus jingles na TV. Hoje a pobre Bavaria não tem nem site - foi relegada à prateleira de baixo dos supermercados, geralmente em latinhas amassadas. Ela não tem o chulé nem o gosto exagerado de álcool presente nas outras low-cost. Seu problema está no gás, que é estranhamente ardido. Fora isso, beleza. É uma Skol de quarto mundo.



RIO CLARO: É uma cerveja inofensiva, e isso não é um elogio. Se estiver bem gelada, até te passa a perna num primeiro momento. Basta a temperatura subir 0,5ºC para o desespero começar. Sem "punch" nenhum, tem gosto de gelo derretido em copo de uísque vagabundo - também conhecido como gosto de água suja. É a saída para fazer quantidade em fim de churrasco, servida após várias rodadas de cervejas boas.

SAMBA: Achei que o nome se justificaria no dia seguinte, pela chance de acordar com a bateria da Vai-Vai alojada na cabeça. Mas não é que ela é razoável no quesito harmonia? Vai bem também no fantasia, pois o selo protetor não gruda na lata. No quesito conjunto, vale quanto custa (R$ 0,89). Perde pontos em evolução, já que é produzida pela Conti. Mas se tratando de vagabundas, a Samba é melhor que muita musa do Funk. 



FREVO: Diretamente de Recife, a cerveja Frevo tem gosto de sarampo líquido (e ela nem é tão líquida assim) misturado com hemodiálise. A cada três goles, uma lágrima escorre do olho esquerdo. A essa altura, o direito já está cego. Nem para Tubarão que quiser harmonizar um suculento surfista com algo líquido é recomendada. Indico até Krill no lugar.


MÃE PRETA: Na teoria é tipo Stout, na prática é Caracu misturada com a diarréica Malzbier . Sua rançosa espuma te premia com um bigode à la baixinho da Kaiser, que "pegou" a Karina Bacchi, que por sua vez, "ficou" (por 20 mil) com o Cristiano Ronaldo. Pelo gosto e nome, Mãe Preta deveria ser a cerveja oficial da macumba: harmoniza com o charuto do Pai de Santo e é ideal pra embebedar a galinha do despacho.





CINTRA: Pense no desespero. Agora imagine que ele é uma cerveja. Eis a Cintra, apelidada pela nossa equipe de "Skol from hell". No copo, ela apresenta mais bolhas que água tônica e um dourado pálido e pouco convidativo. O colarinho lembra espuma suja de garapa. Mostrou alto grau de "empapuçamento", prejudicando o restante da noite de degustação, já que ao tomar você desenvolve uma momentânea aversão ao álcool.


CRYSTAL: Seguindo a estelionatária tendência das latinhas mais finas, a Crystal deixa um gosto na boca que lembra demais um Guaraná Diet genérico. Para "ajudar", a cola do selinho gruda na lata e deixa vestígios de alumínio e cola. O 1º gole é horrível. A 1ª lata é difícil de tomar. Mas, depois de ficar meio bêbado, com certo esforço dá para pensar que é Brahma guardada aberta de um dia para o outro sob a churrasqueira.


CONTI: Os míseros 92 centavos pagos numa lata de Conti saem caro. A breja disputa em pé de igualdade com a Cintra o título de "Skol from Hell", ou seja, cerveja com gostinho de Álcool Zulu que vai bater no seu fígado com raiva. Antes disso, ela assusta pelo cheiro e pela aparência quase sem espuma e sem bolhas. Recomendada apenas para os mais fortes (e aos suicidas).




BELCO SEM ÁLCOOL: Esse atentado ao bom senso ficou por último por um nobre motivo: foi a única cerveja que não conseguimos tomar uma lata inteira. Ela é doce de um jeito bizarro e vira espuma de shampoo para lavar cachorro quando entra em contato com a língua. E, claro, nem para te deixar bêbado serve. É a pior cerveja já feita. Quem não pode beber, que peça uma Coca. É mais digno.

segunda-feira, dezembro 06, 2010

sexta-feira, novembro 26, 2010

terça-feira, novembro 23, 2010

segunda-feira, novembro 15, 2010

Calem a boca, nordestinos!

Da série "recebi por e-mail e não podia deixar de postar aqui"

Calem a boca, nordestinos!
Por José Barbosa Junior

A eleição de Dilma Rousseff trouxe à tona, entre muitas outras coisas, o que há de pior no Brasil em relação aos preconceitos. Sejam eles religiosos, partidários, regionais, foram lançados à luz de maneira violenta, sádica e contraditória.
Já escrevi sobre os preconceitos religiosos em outros textos e a cada dia me envergonho mais do povo que se diz evangélico (do qual faço parte) e dos pilantras profissionais de púlpito, como Silas Malafaia, Renê Terra Nova e outros, que se venderam de forma absurda aos seus candidatos. E que fique bem claro: não os cito por terem apoiado o Serra... outros pastores se venderam vergonhosamente para apoiarem a candidata petista. A luta pelo poder ainda é a maior no meio do baixo-evangelicismo brasileiro.
Mas o que me motivou a escrever este texto foi a celeuma causada na internet, que extrapolou a rede mundial de computadores, pelas declarações da paulista, estudante de Direito, Mayara Petruso, alavancada por uma declaração no twitter: "Nordestino não é gente. Faça um favor a SP, mate um nordestino afogado!".
Infelizmente, Mayara não foi a única. Vários outros “brasileiros” também passaram a agredir os nordestinos, revoltados com o resultado final das eleições, que elegeu a primeira mulher presidentE ou presidentA (sim, fui corrigido por muitos e convencido pelos "amigos" Houaiss e Aurélio) do nosso país. E fiquei a pensar nas verdades ditas por estes jovens, tão emocionados em suas declarações contra os nordestinos. Eles têm razão!
Os nordestinos devem ficar quietos! Cale a boca, povo do Nordeste! Que coisas boas vocês têm pra oferecer ao resto do país? Ou vocês pensam que são os bons só porque deram à literatura brasileira nomes como o do alagoano Graciliano Ramos, dos paraibanos José Lins do Rego e Ariano Suassuna, dos pernambucanos João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira, ou então dos cearenses José de Alencar e a maravilhosa Rachel de Queiroz?
Só porque o Maranhão nos deu Gonçalves Dias, Aluisio Azevedo, Arthur Azevedo, Ferreira Gullar, José Louzeiro e Josué Montello, e o Ceará nos presenteou com José de Alencar e Patativa do Assaré, Sergipe nos deu Tobias Barreto e Hermes Fontes e a Bahia em seus encantos nos deu como herança Jorge Amado, Ruy Barbosa, Castro Alves, Caetano Veloso, Maria Betânia, Gilberto Gil, Gal Costa, Tom Zé, Raul Seixas vocês pensam que podem tudo?
Isso sem falar no humor brasileiro, de quem sugamos de vocês os talentos do genial Chico Anysio, do eterno trapalhão Renato Aragão, de Tom Cavalcante e até mesmo do palhaço Tiririca, que foi eleito o deputado federal mais votado pelos... pasmem... PAULISTAS!!!
E já que está na moda o cinema brasileiro, ainda poderia falar de atores como os cearenses José Wilker, Luiza Tomé, Milton Moraes e Emiliano Queiróz, o inesquecível Dirceu Borboleta, ou ainda do paraibano José Dumont ou de Marco Nanini, pernambucano.
Ah! E ainda os baianos Lázaro Ramos e Wagner Moura, que será eternizado pelo “carioca” Capitão Nascimento, de Tropa de Elite, 1 e 2.
Música? Não, vocês nordestinos não poderiam ter coisa boa a nos oferecer, povo analfabeto e sem cultura... Ou pensam que teremos que aceitar vocês por causa da aterradora simplicidade e majestade de Luiz Gonzaga, o rei do baião? Ou das lindas canções de Nando Cordel e dos seus conterrâneos pernambucanos Alceu Valença, Dominguinhos, Geraldo Azevedo e Lenine? Isso sem falar nos paraibanos Zé e Elba Ramalho e do cearense Fagner...
E não poderia deixar de lembrar também da genial família Caymmi e suas melodias doces e baianas a embalar dias e noites repletas de poesia...
Ah! Nordestinos...
Além de tudo isso, vocês ainda resistiram à escravatura? E foi daí que nasceu o mais famoso quilombo, símbolo da resistência dos negros á força opressora do branco que sabe o que é melhor para o nosso país? Por que vocês foram nos dar Zumbi dos Palmares? Só para marcar mais um ponto na sofrida e linda história do seu povo?
Aliás, falando em nascer, o Brasil nasceu no Nordeste, ou não foi?
Um conselho, pobres nordestinos. Vocês deveriam aprender conosco, povo civilizado do sul e sudeste do Brasil. Nós, sim, temos coisas boas a lhes ensinar.
Por que não aprendem conosco os batidões do funk carioca? Deveriam aprender e ver as suas meninas dançarem até o chão, sendo carinhosamente chamadas de "cachorras”. Além disso, deveriam aprender também muito da poesia estética e musical de Tati Quebra-Barraco, Latino e Kelly Key. Sim, porque melhor que a asa branca bater asas e voar, é ter festa no apê e rolar bundalelê!
Por que não aprendem do pagode gostoso de Netinho de Paula? E ainda poderiam levar suas meninas para “um dia de princesa” (se não apanharem no caminho)!
Ou então o rock melódico e poético de Supla! Vocês adorariam!!!
Mas se não quiserem, podemos pedir ao pessoal aqui do lado, do Mato Grosso do Sul, que lhes exporte o sertanejo universitário... Coisa da melhor qualidade!
Ah! E sem falar numa coisa que vocês têm que aprender conosco, povo civilizado, branco e intelectualizado: explorar bem o trabalho infantil!
Vocês não sabem, mas na verdade não está em jogo se é ou não trabalho infantil (isso pouco vale pra justiça), o que importa mesmo é o QUANTO esse trabalho infantil vai render. Ou vocês não perceberam ainda que suas crianças não podem trabalhar nas plantações, nas roças, etc. porque isso as afasta da escola e é um trabalho horroroso e sujo, mas na verdade, é porque ganha pouco. Bom mesmo é a menina deixar de estudar pra ser modelo e sustentar os pais, ou ser atriz mirim ou cantora e ter a sua vida totalmente modificada, mesmo que não tenha estrutura psicológica pra isso... Mas o que importa mesmo é que vão encher o bolso e nunca precisarão de Bolsa-família, daí, é fácil criticar quem precisa!
Minha mensagem então é essa: - Calem a boca, nordestinos! Calem a boca, porque vocês não precisam se rebaixar e tentar responder a tantos absurdos de gente que não entende o que é, mesmo sendo abandonado por tantos anos pelo próprio país, vocês tirarem tanta beleza e poesia das mãos calejadas e das peles ressecadas de sol a sol.
Calem a boca, e deixem quem não tem nada pra dizer jogar suas palavras ao vento. Não deixem que isso os tire de sua posição majestosa na construção desse povo maravilhoso, de tantas cores, sotaques, religiões e gentes.
Calem a boca, porque a história desse país responderá por si mesma a importância e a contribuição que vocês nos legaram, seja na literatura, na música, nas artes cênicas ou em quaisquer situações em que a força do seu povo falou mais alto e fez valer a máxima do escritor: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte!”
Que o Deus de todos os povos, raças, tribos e nações, os abençoe, queridos irmãos nordestinos!
Blog do autor

Nem preciso acrescentar nada.

quinta-feira, novembro 11, 2010

Frase do Dia

O neurótico constrói um castelo no ar. O psicótico mora nele. E o psiquiatra cobra o aluguel.

Como entender as mulheres

Todos um dia nos perguntamos isso. O que querem as mulheres? O que as faria realmente felizes? De onde viemos? Para onde vamos? Por que a embalagem de Sucrilhos nunca abre sem rasgar?
Bom, pelo menos para as duas primeiras perguntas, eu tenho as respostas! E o que é melhor, em formato de lista, que é pros homens entenderem melhor:

Lista Original
Eu quero um homem que...
1. Seja lindo
2. Encantador
3. Financeiramente estável
4. Um bom ouvinte
5. Divertido
6. Em boa forma física
7. Se vista bem
8. Aprecie as coisas mais finas
9. Faça muitas surpresas agradáveis
10. Seja um amante criativo e romântico

Lista Revisada aos 30 Anos
Eu quero um homem que...
1. Seja bonitinho
2. Abra a porta do carro
3. Tenha dinheiro suficiente para jantar fora com certa freqüência
4. Ouça mais do que fale
5. Ria das minhas piadas
6. Carregue as sacolas do mercado com facilidade
7. Tenha no mínimo uma gravata
8. Lembre de aniversários e datas especiais
9. Procure romance pelo menos uma vez por semana

Lista Revisada aos 40 Anos
Eu quero um homem que...
1. Não seja muito feio
2. Espere eu me sentar no carro antes de começar a acelerar
3. Tenha um emprego fixo
4. Balance a cabeça enquanto eu falo
5. Esteja em forma ao menos para mudar a mobília de lugar
6. Use camisetas que cubram sua barriga
7. Não compre cidra achando que é champanhe
8. Se lembre de abaixar a tampa da privada

Lista Revisada aos 50 Anos
Eu quero um homem que...
1. Corte os pelos do nariz e das orelhas
2. Não coce o saco nem cuspa em público
3. Não sustente os pais, irmãos, irmãs e filhos do primeiro casamento
4. Não balance a cabeça até dormir enquanto eu estou reclamando
5. Não conte a mesma piada o tempo todo

Lista Revisada aos 60 Anos
Eu quero um homem que...
1. Não assuste as crianças pequenas
2. Ronque bem baixinho quando dorme
3. Esteja em forma suficiente para ficar de pé sozinho
4. Use cueca e meias limpas

Lista Revisada aos 70 Anos
Eu quero um homem que...
1. Respire
2. Lembre onde deixou seus dentes

Lista Revisada aos 80 Anos
Eu quero um homem que...
1. O que é um homem, mesmo ??? Deus que me livre disso!!!

segunda-feira, agosto 16, 2010

Cabelo, cabeleira, cabeluda, descabelada



O cabelo de uma mulher é parte essencial de sua personalidade. A gente usa shampoo, condicionador, creme, hidratante, máscara de reparação, tinta, reparador de pontas, leave-in, pomadas, etc, etc... Muitas vezes pro cabelo parecer NATURAL.
É, vai entender.
Fora isso tudo (feito em casa, somando a energia gasta com secador e chapinha - e a bursite e ocasionais queimaduras na testa, orelha e pescoço), existe a necessidade de uma ida ao cabelereiro de vez em quando: corte, uma escovinha básica, aproveita pra fazer as unhas e 'olha, ME-NI-NA, esse condicionador é IN-CRÍ-VEL, vai deixar seu cabelo LIN-DO!!' Toca a comprar o tal condicionador - que custa o mesmo que um celular basicão -, mas é claro que quando VOCÊ passar na SUA casa, ele não vai deixar seu cabelo tão incrível quanto ficou no salão... Anotação mental: da próxima vez, comprar TAMBÉM o shampoo!
E pintar? Pintar o cabelo é triste: tenta escolher a cor. Tá. Fácil, né? Claaaaaaaro que não!! Tem noção de quantos tons, sobretons, quase-tons e mega-tons existem? Tem loiro escuro acobreado vermelho, castanho dourado acaju, preto azulado, loiro escuro marrom intenso... - como loiro pode ser marrom, é algo que só uma mulher entende. Mas depois de horas escolhendo, tentando se imaginar com aquela cor linda que a atriz da Globo usa na caixa da tinta e pergunta a opinião até do balconista da perfumaria, você compra a famigerada e sai feliz e saltitante.
Pintou, esperou 45 minutos, teve vontade de arrancar o couro por causa da coceira, se sujou toda, manchou o sofá, lavou, hidratou, secou... Se ficar uma porcaria, começa tudo de novo: escolhe outra cor que 'cubra' a cagada, e lá vamos nós: luva, creme 'pra não manchar a pele', pincel, mistura, aquele cheiro insuportável, tenta tirar a mancha do celular que TINHA que tocar... Aí pronto, né?
Claaaaaaaaaaaaaaaaaro que não!!
É que com tanta química, o cabelo fica cheio de pontas duplas, ressecadas... precisa cortar. Mas, gente: cortar também não é fácil. A cliente e o cabelereiro nunca têm a mesma ideia do quanto são 'dois dedinhos'. Pra cliente, são dois dedinhos de bebê recém-nascido. Pro cabelereiro, são dois dedinhos de elefante!! Fora a nossa falta de noção da realidade: chega, senta na cadeira, vira pro cabelereiro e dispara: "Corta igual ao da Ângela Regina da novela das oito!!", sem atentar para os fatos básicos: Ângela Regina é loira, você é morena, Ângela Regina tem o rosto redondo, o seu é fino, Ângela Regina tem o cabelo liso e fininho como trigo, o seu é ondulado e grosso.
Se ainda assim o corte cai bem, maravilha: você ganhou na loteria, mas pode ter certeza de que nada mais vai dar certo na sua vida nos próximos meses: é a lei da compensação do Universo. Se você odiou o corte... ah, cabelo cresce, né? Não precisa chorar, não é o fim do mundo, ainda que você esteja parecendo um menino, sua tia-avó ou um poodle. Assassinar o cabelereiro também não é uma boa ideia - A MENOS que você consiga fazer parecer um acidente, claro.
Eu vivia em guerra com meu cabelo: sempre tive cabelo farto, forte, encaracolado... Não deixava minha mãe cortar de jeito nenhum até que - óbvio - peguei piolho. A lembrança das sessões de pente-fino e daquele shampoo que deixava meus amados cachos horrendos me assombra até hoje. Finda a fase piolhenta, veio aquele período em que você não manda em si mesmo, mas também não sabe bem o que quer: a pré-adolescência.
Eu queria deixar o cabelo crescer, mas minha mãe mandava cortar ao maior estilo mullet. Vergonha pouca: na escola os meninos me apelidaram de 'Peruca-de-Sansão': ficava um tempão esperando crescer, prendendo com grampo, presilha, tiara, o que fosse pra de repente surgir a cara do Chitãozinho de novo.
Me rebelei e passei um tempão sem cortar, meu cabelo chegou na cintura e eu era a pessoa mais feliz do mundo. Aí resolvi dar uma mudada no visual... Cometi o erro mortal de ir a um cabelereiro diferente do usual. O maldito fez um corte diferente pra dar uma 'modernizada'. Repicou tudo. No salão tava lindo, quando cheguei em casa parecia que eu tava de capacete. Chorei, voltei lá e fiz ele igualar tudo, aos berros. Mais uma rebeldia: cagada por cagada, resolvi pintar o cabelo de vermelho intenso. Minha mãe dizia que eu parecia um fósforo Fiat Lux, mas duas semanas depois parecia era que eu tinha lavado a cabeça com água de cozimento de salsicha.
Depois veio a fase liso-à-força. Fazia escova direto, o cabelo sofria tanto, tadinho... Tinta, escova, chapinha, escova progressiva, escova japonesa, escova inteligente... era uma agressão atrás da outra. Decidi deixar tudo pra lá e ficar com ele natural por uns tempos. Depois decidi ser radical e alisei de vez. Mas só Deus sabe até quando. Pensando bem, os cachos estão voltando à moda, e essa cor preta anda tão sem-graça...
;-)

segunda-feira, julho 26, 2010

Não é justo!

Todo mundo conhece a frase manjada: "Felicidade é amar e ser amado". Todo mundo já chorou um amor não-correspondido, e sabe o quanto isso dói. Mas e quando se está do outro lado? E quando você é amado, mas não ama?
É fogo, a vida não é justa. Você não quer magoar a outra pessoa, mas também não pode iludir. Não quer alimentar um sentimento que não é recíproco, mas ao mesmo tempo... poxa, quem é que não gosta de ser amado? Não é segurança que todos procuramos?
Você conhece uma pesssoa e ela se apaixona por você. Você vai levando, mesmo sem estar apaixonado, porque afinal de contas... Pelo menos ele(a) gosta de você! Te trata bem, faz carinho, te dá segurança! O duro é ter a maturidade de abrir mão dessa massagem no ego para ser sincero com a outra pessoa. E o pior, a ironia fina da vida, é que, retomando o que eu disse aí em cima, você não quer magoar a pessoa, sabe por quê? Porque sempre, sempre, SEMPRE é uma pessoa muito legal. É tudo que você queria, mas... Mas o quê? Como explicar?
Por que você não consegue amar aquele ser que te trata bem, te deixa à vontade, de quem todos os seus amigos gostam, que tem tantas qualidades? Como você pode ser tão ruim a ponto de não se comover com aquele amor sincero, as ligações, os presentes, as provas de que ele gosta de você de verdade?
É simples, na verdade: a gente se sente na obrigação de retribuir aquilo tudo. E nada que é feito por obrigação é bom. Você se pega olhando feio pro telefone quando reconhece o número fatídico, inventando desculpas para - pasmem!! - recusar o cinema no sábado, fazendo cara de sofrimento cada vez que se encontram, e se irritando.
Esse é o último estágio de um relacionamento onde o amor corre numa via só: a irritação. Tudo te irrita: a voz, o cheiro, a mera lembrança. E afinal, por que que ele(a) tem que ser tão meloso(a)? E te ligar mil vezes ao dia? E fazer planos pro próximo feriado prolongado? Era melhor se houvesse apenas aquela famigerada indiferença. É verdade, você ia gostar mais da criatura se ela te tratasse... mal. Se não te telefonasse, te desse um bolo no sábado à noite, desaparecesse de vez em quando, etc, etc.
Vai entender... o ser humano não gosta mesmo de nada fácil. Queremos emoção, dúvida, frio na barriga! Quando tudo vem de mão beijada, desdenhamos.
Aí vem a pior parte: você já decidiu, não aguenta mais, não é justo com você, nem com o outro. Então, o jeito é terminar, certo? Então, vai, termina.
Termina, anda!
Termina que eu quero ver!
Complicado, né? Tenta isso:
"Olha, você é muito legal, eu te adoro, quero você super bem, mas acabou, tá? Eu não gosto de você como você gosta de mim... Se duas pessoas têm que ficar juntas, que seja pelos motivos certos e ficar com você porque você gosta de mim, mesmo eu não te amando, não é um motivo certo. Eu não quero te magoar, e se nós continuarmos com isso, é o que vai acontecer. Mas você é uma pessoa maravilhosa e eu não quero te ver triste. Olha, não é você, sou eu. Eu não estou a fim de algo sério, eu sou tão complicado(a), você não merece continuar perdendo seu tempo com alguém como eu..."
Pode bolar seu discurso com todos os clichês conhecidos, não adianta, é fato: você VAI, SIM, magoar o outro.
(Nesse ponto, reze pro feitiço não virar contra o feiticeiro e VOCÊ não se apaixonar depois de terminar!)
E pra piorar, vai ter que explicar pra todos os seus amigos, umas 374629783462765976234 vezes, PORQUE RAIOS você abriu mão de um relacionamento que tinha tudo pra dar certo, afinal ele (a) era tão legal, e afinal, você só se deu mal em relacionamentos anteriores, e afinal, nessa vida a gente tem que gostar de quem gosta da gente... e afinal... Ah, quer saber? Você é uma besta mesmo!

sexta-feira, julho 23, 2010

Minhoquinha

O Príncipe Encantado encontra a Branca de Neve e pergunta:
- Quer casar comigo?
- Claro, Majestade.
O Príncipe Encantado mostra o pênis e pergunta:
- Você sabe o que é isto?
- Seu belo pinto, Príncipe.
- Vou embora. Quero uma mulher inocente.

O Príncipe vai então à casa da Gata Borralheira e pergunta:
- Quer casar comigo?
- Claro que sim.
O Príncipe Encantado tira o troço para fora e pergunta:
- Você sabe o que é isto?
- Seu pinto, viril Príncipe.
- Vou embora. Exijo uma mulher casta.

O Príncipe encontra Chapeuzinho Vermelho na floresta e pergunta:
- Quer casar comigo?
- Claro, Alteza.
O Príncipe Encantado tira o pênis pra fora e pergunta:
- O que é isso?
- Isso é uma minhoquinha, meu Príncipe.
Maravilhado com a inocente Chapeuzinho Vermelho, o Príncipe Encantado casa-se com ela. Na noite de núpcias o Príncipe fala para Chapeuzinho:
- Isto aqui é um pinto, meu amor.
E ela responde:
- Não, meu Príncipe. Isso é uma minhoquinha. PINTO... É O DO LOBO MAU...



E bom finde pra todo mundo, minhoquinhas e pintos!! hahahaha

quarta-feira, julho 21, 2010

Como arrumar um namorado fácil, fácil

(É só imprimir e carregar umas cópias sempre com você!)


Formulário para Novo Namorado



1. Nome completo:

2. Peso: kg

3. Altura: m

4. Saldo da conta bancária (anexar comprovante): R$

5. Idade (no RG):

6. Idade (mental):

7. Filhos: ( ) Não ( ) Sim

*Caso tenha respondido ‘Não’, desconsidere as perguntas de 8 a 10.


8. O(s) pestinha(s) A(s) criança(s) mora(m) com:

( ) você

( ) a mãe aquela vaca

( ) avós maternos

( ) avós paternos

( ) nem você sabe


9. Seu relacionamento com seu(s) filho(s) é:

( ) satisfatório

( ) insatisfatório

( ) inexistente


10. Como seu filho se comportou com sua ex-namorada?

( ) muito bem

( ) muito mal

( ) ainda não descobri onde ele escondeu o corpo


11. Tem carro: sim ( ) não ( )

Se sim, especifique marca, ano e modelo (anexar foto): ___________________


12. Tem casa: sim ( ) não ( )


*Favor anexar comprovante de saldo bancário – declaração do Imposto de Renda do ano passado é melhor ainda


13. Mora com a mãe: sim ( ) não ( )


14. Relacionamento com a mãe:

( ) normal

( ) normal com ressalvas – ela é ciumenta

( ) normal com ressalvas – eu sou ciumento

( ) complicado

( ) complicadíssimo

( ) prefiro não comentar

*caso tenha marcado a última opção, favor devolver o formulário e sumir.


15. É bem dotado? ( ) Não ( ) Sim – anexar comprovante


16. Funciona com perfeição? ( ) Não ( ) Sim

* Favor lembrar que propaganda enganosa é crime previsto em lei. Não se preocupe, pode rasurar o formulário.


17. Gosta de fio terra ( ) Não – ah, tá… ( ) Sim – aaaaaah, tá…


18. Ronca ( ) Não ( ) Sim – exemplifique: como um porco, como um leão... :_______________________


19. Você é um homem:

( ) DVD – Deita, Vira e Dorme

( ) DVD-R – Deita, Vira, Dorme e Ronca

( ) USB – Uma Só e Broxa

( ) VHS – Várias Horas de Sexo


20. Numa escala de 1 a 10 – sendo 1 nada importante e 10 extremamente importante – numere a importância dos seguintes temas em sua vida:

( ) futebol

( ) sua mãe

( ) games

( ) lutas marciais

( ) seu carro

( ) churras com os amigos

( ) filmes de guerra, tiroteio, desmembramento de corpos

( ) sua namorada

* Tava colocando ‘10’ em tudo até agora, né?


21. Quando o assunto é casamento, você...

( ) se empolga

( ) se esconde

( ) se embriaga na festa


22. As roupas da sua namorada:

( ) são problema dela

( ) são problema seu


23. Quanto à(s) sua(s) ex:

( ) tem um relacionamento amigável

( ) tem um relacionamento indiferente

( ) não podem se aproximar devido à medida cautelar contra ela

( ) não podem se aproximar devido à medida cautelar contra você

quarta-feira, julho 14, 2010

Eu sou princesa.

UPDATE: Achei outra tirinha que ilustra beeeeeem esse post:


Outro dia recebi um e-mail que, por meio de uma crônica engraçadíssima, 'explicava' porque os homens DEVEM pagar a conta: se somarmos os valores da lingerie, da roupa, sapato, bolsa, make-up e cabelo da mulher, dá um valor tão alto que eles deviam colocar a gente no seguro todo sábado à noite.

Claro que quem lê acha graça, mas no final é a mais pura verdade. Mulher se emboneca. Tem quem diga que é pro cara, tem quem diga que é para as outras mulheres, enfim, falar, até papagaio fala. Mas a verdade é que a gente se esfola viva todo mês: gastamos fortunas em academia, perfumaria, manicure, pedicure, depilação, cabelereiro, drenagem linfática, e roupas e acessórios novos. É pedir demais que o cara pague a conta, já que tem a honra de ser visto em público com uma quase top model?

Mas aí tocamos no ponto mais sensível da anatomia masculina: o bolso.

Explica aí qual é a do cara que te liga, chama pra sair e quer RACHAR a conta? Querido, eu sou princesa. Eu racho a conta com as minhas amigas, minha mãe, meu pai, namorado de longa data, mas em um encontro - especialmente o primeiro, é SUA OBRIGAÇÃO pagar.

Eu sei, eu sei, parece careta, machista, radical. Malzaê. Queria que vocês vissem minha amiga Cris, que quando recebe um convite pra sair, já dispara:

- Você tem dinheiro?

Antes eu achava tão engraçado, mas ela sempre me dizia 'Dé, de pobre já basta eu!' É que ela é princesa. Queria ser igualzinha à ela, ia mandar de prima:

- Olha, nêgo, eu sou princesa. Comigo é prejú. Cinema é Cinemark, pipoca e refri grande. Jantar é JANTAR, restaurante com TALHER, nada de Mc Donald's. Sair 'para tomar um chopp'? Bora, mas atenção: eu não vou tomar UM chopp. E tem que rolar uma porçãozinha, também. Motel... Não preciso nem falar, né? Se tentar me levar num pulgueiro, vai rolar um piti dentro do carro inesquecível pra você, pro recepcionista, pro pessoal que estiver nos quartos e pra todos que estiverem no raio de um quilômetro. E sim, o café-da-manhã é obrigatório. Pra não mencionar o champagne.

Não é frescura. É uma coisa que toda mulher merece: ser bem-tratada. Afinal, somos princesas. Não precisa paparicar, só tratar com educação, respeito e cavalheirismo. Manual resumido, rapazes:

- Não precisa levar pra jantar no Fasano e pedir o prato e o vinho mais caros do cardápio. Mas Mc Donald's é de lascar... Se você for pagar com VR, então, coitada da menina! É uma cilada, Bino!!

- Se você não tem carro, tudo bem, dá pra ir de ônibus, metrô... desde que não esteja lotado, claro, princesa não anda na muvuca. Até dá pra conversar mais, ficar juntinho. Mas nada de ficar olhando pro relógio com medo do ônibus acabar. Ter um 'a mais' pro táxi é obrigatório!

- Cara de susto quando olha pro cardápio é de foder, com o perdão da má palavra. É que não existe outro palavrão pra explicar o que sentimos quando o garçom nos olha com aquela cara de pena, pensando 'Que princesa, por que ela tá saindo com o ogro?' Pesquise antes um lugar que caiba no seu bolso, evitando assim que sua companhia sinta vontade de ser tragada pela terra.

- Ser mão-de-vaca é muito diferente de ser econômico. Ninguém tá pedindo pra você fazer um empréstimo só pra levar a gata pra assistir à peça da moda, mas não é muita mesquinharia gastar horrores no ingresso pra final do Brasileirão comprado do cambista e no primeiro encontro levar a coitada pra assistir DVD pirata na sua casa?

- Por último, mas não menos importante e super-relacionado: cavalheirismo é bom, nunca sai de moda e ganha o coração até das mulheres mais duronas: abra a porta do carro, puxe a cadeira, não saia andando desembestado na frente da moça, trate bem o garçom, o manobrista, o vendedor de balas na porta do teatro... todas as pequenas gentilezas ganham muitos pontos. Seja um príncipe!

A gente sabe que a vida é dura: tem muita mulher por aí querendo se aproveitar e ser bancada por incautos. Se você, leitora, é uma dessas, conselho: vai trabalhar, fiadaputa! Nós, princesas, batalhamos pelo nosso espaço, somos independentes financeira, psicológica e afetivamente. Queremos um companheiro que caminhe ao nosso lado, nem à frente, nem atrás.
Se você, homem, tem medo de cair nas garras de uma 'dessas', conselho: elas são fáceis de identificar, não se desespere. Não trate todas as mulheres como se fossem 'dessas', você está não só ofendendo as outras como perdendo a chance de conhecer alguém legal.
Falando por mim, eu não ponho a cara na rua se estiver sem grana. Se um cara me chama pra sair, eu aviso se não tenho dinheiro, mas óbvio que, caso eu tenha que mexer na carteira, este será nosso último encontro EVER. Não é interesse, não é machismo, é só uma forma - simplééééééééééérrima, diga-se de passagem - de ele mostrar que se importa! É educação, animal! E eu? EU SOU PRINCESA, PORRA!

Simples assim!!

Tirinha da Cibele, mestra!! Para rir muito, clique aqui.

sexta-feira, maio 28, 2010

Noite Passada

Ontem você veio de novo. Invadiu meu sonho, pegou na minha mão, me puxou pela cintura, me beijou.
E sorriu.
E de repente, eu sabia que era sonho. Só um sonho. De novo?!?! É, de novo. Eu percebi que não era verdade. Doeu. Mesmo inconsciente, minha mente dava um tapa de realidade no que meu coração queria que eu sonhasse. Mas... Eu queria aquela ilusão. Eu resisti a acordar, preferi continuar sonhando.
E me perdi no seu sorriso, como sempre. E te beijei com a mesma entrega que tinha aqui, na vida real.
Aqui, na vida real... Onde passamos um pelo outro fingindo que nada aconteceu. Onde eu me seguro cada vez que te vejo pra não te abraçar forte e sussurrar no seu ouvido o quanto ainda te quero. Onde eu fico vermelha de te ver, atrapalhada em te encontrar, triste de te lembrar tão claramente que parece que foi ontem a última vez que nos beijamos, que conversamos, que rimos um do outro e um para o outro.
No meu sonho, seu beijo tinha o tempero da saudade, que deixa tudo ainda melhor - mesmo que eu não tenha experimentado beijo melhor que o seu nunca. Você me olhava no fundo dos olhos e segurava meu rosto e me beijava devagar, como daquela vez em que...
O despertador tocou. Eu sacudi você de mim pra me focar em levantar, sair e arriscar te encontrar no elevador, na porta, no metrô. Mas ainda sentia seus braços enlaçando minha cintura, ainda ouvia sua voz e sentia seu calor.
Nem parece que foi só um sonho. E ah, só eu sei o quanto eu queria que não fosse só um sonho.

Pra começar
Dizer que o amor chegou ao fim
Esqueça de me perguntar
Se ainda há amor em mim
Pra te enganar
escondo no sorriso a dor
Que sinto ao te ver passar
Na rua com seu novo amor
Se eu te encontrar
Não me pergunte como estou
Não saberia te explicar
Pra mim, ainda não terminou
E pra terminar
Dizer que o amor chegou ao fim
Esqueça de me perguntar
Se ainda há amor em mim
Pra Terminar - Ana Carolina

terça-feira, maio 18, 2010

Coisas que aprendi

George Seeley, Paisagem Serena, 1910

Aprendi... que ninguém é perfeito.
Até você se apaixonar.

Aprendi... que a vida é dura.
Mas eu sou mais que ela!!

Aprendi... que as oportunidades nunca se perdem.
Aquelas que você desperdiça, alguém aproveita.

Aprendi... que se pode manter por perto rancores e amarguras.
Mas aí a felicidade vai para longe.

Aprendi... que devemos sempre dizer palavras boas.
Porque nunca se sabe as que teremos que ouvir.

Aprendi... que um sorriso não custa nada.
Mas melhora muito a imagem.

Aprendi... que não posso escolher como me sinto.
Mas posso sempre fazer alguma coisa para me sentir melhor.

Aprendi... que quando o seu filho recém-nascido segura o seu dedo...
... te prendeu para toda a vida.

Aprendi... que temos que aproveitar a viagem.
E não apenas pensar na chegada.

segunda-feira, maio 17, 2010

Conselho do dia

Recebi por e-mail e achei válido - tudo bem que eu abri pensando que fosse uma piada, mas enfim... Como é curtinho, tive paciência de ler até o fim!

Você sabe o que é ter maturidade?

Maturidade não tem nada a ver com idade. Maturidade tem a ver com jeito de ser, de pensar, de viver e, principalmente, de ver a vida.

Uma pessoa madura não tem medo de falar "Eu errei", "Me perdoe!", "Eu preciso de você", "Eu te amo".

Uma pessoa madura, além de saber o que quer, consegue também entender as necessidades das pessoas em sua volta, e com isso atrai para seu convívio pessoas do bem, alegres e de bem com a vida.

Comece, a partir de agora, a se analisar. Se você anda sempre sozinho, não consegue fazer boas amizades ou não conquista aquele grande amor, não será porque está faltando um pouco de maturidade?

Pessoas maduras são inteligentes e conseguem saber a hora certa para tudo: chegar, sair, falar; e portanto se fazer perceber.

Amadurecer é um processo lento - e até doloroso, mas o simples ato de refletir a respeito, aumentando seu auto-conhecimento já ajuda.

terça-feira, abril 06, 2010

Religião se discute?

Não costumo discutir religião, até porque acho que mais vale Espiritualidade do que Religiosidade.
Me tornei Espírita por opção, depois de anos servindo à Igreja Católica. Meus amigos caçoam de mim quando conto, ninguém acredita, mas a verdade é que até coroinha eu fui. Sempre tive plena fé em Deus, na Bíblia e no que o padre dizia. Até que comecei a questionar, perguntar, querer saber. E ninguém tinha as respostas que eu queria.
Na Doutrina Espírita, encontrei essas respostas - e me encontrei. Entendi as razões que me levam a ser como sou, a estar no ambiente que estou, e, principalmente, comecei a compreender as atitudes alheias - mesmo não concordando com elas.
Ainda assim, nunca tentei arrastar ninguém pro Centro. Quando alguém me pergunta, me declaro Espírita, explico que vou ao Centro toda semana, que é um compromisso que faço questão de manter, e pronto. Não me sinto bem 'evangelizando' os outros, ainda que esta tenha sido uma das ordens de Jesus a todos os seus seguidores.
Esta é justamente a razão que me levou ao Espiritismo: a noção de que somos, sim, passíveis de erros, mas que não vamos todos pro inferno por conta disso! Basta entendermos nossas fraquezas e nos dispormos a mudar. Digo e repito: NÃO TENTO CONVENCER NINGUÉM DE QUE O ESPIRITISMO É A SOLUÇÃO PRO MUNDO, MAS FOI A SOLUÇÃO PRA MIM.
Foi por isso que me chateei muito ao saber do caso dos 'Meninos da Vila', que recebi por e-mail da Rô - grande amiga - hoje, e me dispus a, pela primeira vez, abordar esse assunto aqui.
(Pra quem não sabe do que eu tô falando, clica aqui)
Não existe 'Melhor Religião do Mundo'. Existe aquela que melhor te conforta, acolhe e esclarece. É individual, caso contrário haveria apenas uma vertente religiosa em todo o planeta. Somos multi-culturais, plurais mesmo. E por isso mesmo devemos - a todas as criaturas, ainda que não sejam da mesma religião, nação, sexo, cor ou da pele ou opinião sobre o Flamengo - uma coisa maravilhosa, que transcende tudo que eu citei e mais um pouco: RESPEITO. Afinal, somos todos irmãos, vivendo no mesmo pedaço de rocha orbitando em volta de uma estrela.
No filme "Corina, uma Babá Perfeita", estrelado por Whoopi Goldberg - e que, na minha humilde opinião, tem uma trilha sonora deliciosa - há um diálogo que, de tão simples, tocou meu coração pra sempre. A garotinha do filme diz pro pai, viúvo e triste, que Deus entende até chinês.
É a mais pura verdade. Então por que se importar com a religião do outro, em dias tão carentes de fé como os de hoje?

quarta-feira, março 31, 2010

Homens, humpf!

Pra começar, leiam isso:




Ruth de Aquino, uma das maiores jornalistas desse país, mulher de opinião forte e sempre muito bem colocada. Não sei se já a citei por aqui; se não citei, é falha grande, se já citei, vale repetir que quero ser igual a ela quando crescer...


Agora, vejam isso:



Não lembro onde achei a figura, mas FALAÊ se não é verdade?


Nem vou me alongar no assunto.
Sem mais, boa Páscoa pra todo mundo que eu vou vou pra praia, bjsmeliga

quarta-feira, março 24, 2010

De decepções e recomeços

Já dizia o poeta (tá, nem sei se foi um poeta, mas whatever, é um bom começo de post, nénão?):

'Se não quiser nunca se decepcionar com os outros, não crie expectativas com ninguém.'

É fato, as pessoas nunca agem da forma como gostaríamos que agissem, pelo menos não durante todo o tempo. Mesmo as pessoas consideradas mais previsíveis às vezes surtam e surpreendem a galere. Resultado: corações partidos, amizades abaladas, aquela sensação azeda de não conhecer de verdade uma pessoa que você seria capaz de jurar que conhecia....

Mas é assim mesmo que a banda toca, por mais cínico que pareça - e eu na verdade chamo isso de auto-prevenção, não de cinismo -, o único jeito de não se decepcionar com os outros é... não esperando absolutamente nada deles. Mas isso é beeeeem complicado, e aí vêm as decepções. Dá pra evitar?

Infelizmente, as pessoas não vêm com um luminoso em volta delas que nos dê exatamente a dimensão do caráter delas. Já pensou que show?

**- Queria te apresentar uma amiga minha, aqui, essa é a...
Você olha e em volta do ser tá escrito, em neon 'NÃO CHEGUE PERTO! SOU LOUCA E SE UM DIA NOSSA AMIZADE ACABAR VOU SAIR POR AÍ FALANDO MAL DE VOCÊ PRA TODO MUNDO'. Você sorri magnânima, vira pro seu interlocutor e diz:
- Não, obrigada, já jantei.**

***- Tem um amigo meu querendo te conhecer. Aquele ali, ó.
Você olha e tá lá 'NEM PENSE NISSO. SOU O CARA MAIS ENROLADO DO MUNDO, MENTIROSO E MAU-CARÁTER'
- Humm. Nem rola, queridoãm.***

**- Oi, gata, tudo bem?
'SOU UM PSICOPATA'- O.O É uma cilada, Bino!!!**


Seria muito bom mesmo se víssemos com antemão os estragos que certas pessoas estão destinadas a fazer em nossas vidas. Afinal, pequenos ou grandes, são sempre estragos. Cabe a nós termos o discernimento de não nos deixar abalar por eles, de crescer com cada tombo, aprendendo a levantar cada vez mais rápido. Afinal, esse é nosso papel na Terra, pagar pelos erros anteriores.

Estamos aqui justamente para aprender com a dor que causamos e crescer com as provas pelas quais passamos. Outro dia ouvi uma frase ótima: 'Ninguém dá uma prova de vestibular para uma criança de 4ª série.' Ou seja, os obstáculos que enfrentamos pelo caminho são feitos sob medida para nós, nunca intransponíveis.

Muita gente vai entrar em nossas vidas pro bem, mas muitas chegam pro 'mal'. As aspas estão aí porque são justamente esses seres que vão nos ajudar a endurecer nossa couraça. São eles, com suas atitudes - que não entendemos ou não aceitamos - que vão nos fazer pensar em sermos melhores. Vai dizer que você nunca teve o impulso de se vingar daquela ex-amiga que mandou aquela sua foto comprometedora pra todo mundo, mas no último momento decidiu ser melhor que ela, relevando e fazendo do episódio uma piada? Vai dizer que você nunca quis furar os olhos daquela ex-namorada maluca que resolveu encher o saco da atual pelo orkut, mas percebeu que a melhor arma era justamente nem responder aos ataques da louca? Com certeza, a atitude correta em situações como essas nos fazem mais respeitados, mais sábios, mais fortes. Afinal, outras provas virão.

E como dizia o poeta (e num é que a frase serve pra fechar o post também?):

A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.



Pra ler ouvindo "Hard as a Rock", AC/DC

sexta-feira, março 05, 2010

Melô do Congresso

Recebi por e-mail da Eli, com uma frase pertinente: SERÁ QUE UM DIA A GENTE APRENDE?

Só pra constar: ano de eleições... juízo, gente!

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

Alalaô




Eu odeio Carnaval.


Todo mundo nesse clima de "ninguém é de ninguém" é foda. Pra mim, micareta = suor e sapinho.


Todo mundo - eu disse TODO MUNDO - vai viajar. Se você fica, dá uma sensação de loser muito forte.

Se você também vai, encara congestionamento na ida, falta d'água, falta de segurança, fila pro chuveiro, areia onde o sol não bate, congestionamento na volta.


Só tem peito e bunda nos intervalos da tv - e o Sílvio Santos insistindo nas marchinhas, pra variar.

Nada funciona na cidade - tá tudo em 'ponto facultativo'. Ou seja, fechado.


No dia seguinte aos desfiles, todo mundo - eu disse TODO MUNDO - é entendido em Carnaval: "o desfile da escola tal foi o mais bonito." Nunca acertam.


Se você mora próximo à quadra da campeã... sinto muito, meu amigo, FO-DEU. Ou entra na festa, ou vai pra casa daquela sua tia que mora do outro lado da cidade. Porque dormir você não vai conseguir mesmo.


A sujeira que fica pelas ruas da cidade é simplesmente nojenta.

O ano está prestes a começar pro brasileiro.


Avisa aquele seu tio barrigudo que não fica NADA legal ele vestido de mulher?

Carnaval é alegria, é festa, é bloco na rua, é samba no pé, é ticutuco ô numcutuco, é CLICHÊ DEMAIS.








Cara, eu amo Carnaval.
4 dias e meio de folga - nada de chefe, telefone tocando sem parar, computador travando, colega de trabalho chato, café ruim.
Solzão + folga = cerveja.
A cidade fica quase deserta (quase porque isso é impossível numa cidade do tamanho de Sampa), o que é uma verdadeira delícia! Fila só no supermercado, pra comprar cerveja.
Sampa, aliás, ferve no Carnaval: pra quem não gosta de samba, o que pode ser melhor do que morar numa metrópole desse tamanho, com tantas opções de cinemas, bares, museus?
Opção para se divertir: blocos de rua. Eu vou seguir o Vai Quem Quer, programação geral dos blocos aqui.
Se fantasiar - nem que seja só com uma máscara feita de papel - é divertido e todo mundo gosta.
Carnaval é alegria, é festa, é bloco na rua, é samba no pé, é ticutuco-ô-nucutuco, é BOM DEMAIS.
CURTINDO O CARNAVAL OU NÃO, USEM CAMISINHA!!!

quarta-feira, fevereiro 10, 2010

Homem também sofre...

Discussões acaloradas sobre a guerra dos sexos não são novidade, nem pra mim, nem pra nenhum indivíduo com um mínimo de neurônios funcionando. Começa na infância: os meninos vivem repetindo que as meninas são chatas, choronas e, segundo meu próprio filho, “nem sabem jogar futebol, então porque eu tenho que chamar minhas primas pra brincar?”. As meninas acham os meninos uns grosseirões – pra não dizer babacas, né? Rapazes, sorry, mas é cientificamente comprovado que nós, mulheres, amadurecemos mais cedo que vocês. É por isso que, enquanto vocês ainda se preocupam em colecionar figurinhas, nós já estamos suspirando por integrantes de boy-bands.



Eu não ia passar sem uma alfinetadinha!



Mas existe uma situação em que os dois lados usam o mesmo argumento: enquanto as mulheres afirmam que HOMEM NENHUM PRESTA; os homens são categóricos: MULHER NENHUMA PRESTA.
Ah, gente, generalizar é mau negócio. É claro que existem homens que prestam, assim como existe vida em outros planetas: você pode nunca ter tido contato, mas por que não acreditar?
=D
Opa, piada infame, bora falar sério de novo.
O curioso é que nós, mulheres, sempre acreditamos sermos as únicas a sofrer. A imagem estereotipada de que homem é durão, insensível e não chora ainda está enraizada na nossa mente. E a verdade é que homem chora, sim. Sofre, e muito. Pelo menos os que prestam. E eles existem, graças a Deus!





O problema é que eles não aparecem. Não é que a grande maioria seja composta de panacas, mas os panacas se jogam mais, ficam muito mais disponíveis e, conseqüentemente, temos essa impressão de que eles assolam a face da Terra. Enquanto isso, os caras legais, inteligentes e sensíveis, ou estão sozinhos, ou assumiram a homossexualidade ou namoram com a sua melhor amiga.
É incrível a aplicação da Lei de Murphy: se houver um cafajeste, um único cafajeste no meio de uma dezena de caras legais, é exatamente por ele que vamos nos apaixonar. Isso é explicável: o cafajeste vai fazer de tudo para conquistar, enquanto os caras legais vão preferir conhecer melhor, conversar, enfim, ver se o santo bate. Só que a gente se entrega ao charme do cafajeste, e o cara legal vira o amigo dele no ombro de quem você chora.
Não é uma incongruência? Ao invés de namorar de uma vez com o cara que presta, a gente fica se lamentando “ah, por que ele não é legal igual ao Fulano?”
¬¬
Tenho amigos sensacionais, inteligentes, divertidos, responsáveis, enfim, partidões. Alguns estão sozinhos por opção – básico: gato escaldado sente medo de água fria. É impressionante como tem gente que, mesmo passando por trocentas furadas, nunca perde a esperança; enquanto outras pessoas se desiludem e entram em ‘recesso amoroso’ sem data pra terminar. Outros estão sozinhos simplesmente porque não encontram alguém que valha a pena. Outros (a grande maioria) estão bem felizões, namorando, noivando, casando.Mas os solteiros – com ou sem esperança – estão por aí, dando sopa para serem fisgados por uma garota que tenha muito amor pra dar – e que esteja esperando um cara legal que mereça receber!



P.S.: Esse post é especialmente dedicado ao Reinaldo: amigão, embaixador dos homens solteiros sofredores e dono da mais bela Belina azul-metálico do Jaraguá.

quinta-feira, fevereiro 04, 2010

Chupa!!

Post rascunhado que...
... só veio à tona sob encomenda da minha mais fiel leitora! Valeu, Rô!
... foi livremente inspirado nesse texto aqui.
... e é dedicado ao ‘mastro’ de Eduardo Allgayer. hahaha



Falar de boquete é uma coisa meio chata... muito melhor fazer. aloka

Não sei dizer a porcentagem de mulheres que não gostam de fazer bola-gato, mas imagino que sejam muitas – eu não estou inclusa, pelo menos não completamente. Não é uma coisa que eu me sinta EXTREMAMENTE FELIZ em fazer, admito. Mas acho que é parte importante das preliminares, e para as duas partes.
É na laranjada que a mulher pode enlouquecer ou destruir completamente um cara. Se ela sabe fazer, é a glória, mas se não sabe, é o fim. Pode ter certeza que ele perde grande parte do tesão. E saber fazer independe de boca grande – se bem que, com lábios grossos, o cara já delira só de pensar. Como estávamos fofocando comentando eu e a Rô: com uma boca assim, chega a ser maldade não fazer sexo oral no cara. E sexo oral e copo d’água não se nega a ninguém, compreendido?
Blow-job bom é aquele feito com alma. Parece besteira, mas não é. Tem que ter vontade, tesão, literalmente. Pegar com as duas mãos, lamber, chupar, beijar, até morder – com moderação, claro. De cima pra baixo, de baixo pra cima, devagar, rápido, e muito, muito importante: olhando nos olhos dele.
Tem quem goste de um trabalho que abranja toda a área – ah, esse caso é complicado. Porque aí vem uma grande problemática da felação: os pêlos. Muito se fala sobre a depilação feminina, mas os homens nem pensam nisso. Bom, pra mim homem tem que ter perna cabeluda, mas veja bem, eu não chupo o joelho de ninguém. Então, meu querido, onde você quiser que a garota coloque a boca, faça o favor de pelo menos aparar o arbusto. Fica mais bonito e mais HIGIÊNICO. APARA, FDP!! Ninguém merece pêlo nos dentes.
Outro grande problema pra mulherada – eu inclusa – é a duração da chupeta. Porque o homem sempre prolonga ao mááááááááááááximo quando o prazer é dele, mas na nossa vez, a coisa toda acaba em um piscar de olhos. Por isso eu tenho uma regra de ouro: se você quer, chupa primeiro. Aí eu analiso duração, talento, criatividade, boa-vontade... e recompenso na mesma moeda, afinal sou libriana e justiça pra mim é tudo.
O que a mulher não pode se esquecer jamais é que o homem é um ser completa, total e absolutamente apaixonado... pelo próprio pau. Ele não presta atenção em mais nada, não vê as lágrimas nos seus olhos, não percebe que tá enfiando na sua garganta e te levando a um estado perigoso de ânsia de vômito; não vê que seus joelhos estão em carne viva; nem que você está ficando meio roxa e parece estar desmaiando por não conseguir respirar. Na hora do chupisco, tenha jogo-de-cintura, amiga! E um kit de primeiros-socorros, também.
Bom, se a mulher consegue sobreviver a tudo isso, vem o ápice do problema: ele vai gozar! FO-DEU! E agora? Cospe? Engole? Finge que engole e cospe? Pede ajuda pros universitários? Põe a culpa na crise mundial? Bom, vai de cada uma. Se for pra cuspir, pelo menos cospe com classe: vai até o banheiro, disfarça, e pelamor, nada de escarrar (urgh!). E sem fazer cara de nojo, senão, nem deixa gozar na boca. Deixa só na cara. Mas detalhe: se deixar na cara, fecha os olhos, aquilo arde pra porra. (entendeu? Hã? Hã?)
De resto, o que eu posso dizer? Só uma frase: CAI DE BOCA!

E pra fechar, uma ilustração que eu vi no Não Salvo:


quarta-feira, fevereiro 03, 2010

Toca, telefone, toca!!!

Em 1876, Alexander Graham Bell inventou o telefone.
E a partir daí todas as mulheres do mundo passaram a sofrer.
Fico imaginando quem foi a primeira coitada a passar horas a fio olhando praquele aparelho, esperando aquele "TRIIIIIM", que, se na época era irritante, soava doce caso a voz do outro lado fosse daquele garboso cavalheiro que a tirou para uma contra-dança no baile da noite passada.







Agora somos nós, do alto de nossos iPhones, com toda a independência herdada da revolução sexual, modernas, antenadas, prafrentex mesmo, que sofremos feito condenadas esperando A ligação.
Afinal de contas, por que ele não ligou?
Será que eu dei o número certo?
Putz grila, nem um SMS o desgraçado não tem coragem de mandar?





É, a gente sofre. Mas a verdade é que, mesmo que a noite tenha sido boa, ótima ou mesmo maravilhosa (pra você), ele pode NÃO ligar. Não é nada pessoal, é só que homens e telefones não combinam.
Às vezes eu acho que deve haver algum campeonato secreto, do qual nós mulheres não ficamos sabendo, em que ganha o cara que tiver a agenda mais cheia de números de incautas. O vencedor - que deve ter testemunhas de que os números são reais, e não da prima, da tia, da veterinária - ganha uma cerveja, a coleção de tampinhas do amigo, o direito ao primeiro chute na pelada de sábado ou coisa que o valha. Só isso justificaria o que eles fazem com a gente!
O fato é que pedir o telefone é uma mise-en-scène masculina corriqueira - e, a meu ver, ridícula. Outro dia um amigo me disse que homem não liga logo no dia seguinte pra não parecer desesperado. Telefonar no dia seguinte não é demonstrar desespero, mas sim consideração. É mostrar para a garota que ela não é qualquer uma (ainda que você pense assim, PELO MENOS disfarce). Ainda que seja uma ligação curta, pra perguntar se tá tudo bem, mandar um beijo, desligar e apagar o telefone (e a garota) da memória, não custa nada, nada. Mesmo que o cara nunca mais ligue, aquela única vez já vale pontos no placar. E se um dia ele decidir procurá-la de novo, ela não vai ter esquecido esse detalhe. Como diz um outro amigo meu, "comer bem para comer sempre'!
Agora, por que pedir o telefone se não pretende ligar? Não pede, pô!! Na hora de se despedir, dá um beijo, olha nos olhos dela e diz: "Tchau". Pronto, só isso. Se a pretendente a telefonanda (mãe, inventei uma palavra) tiver criado expectativas, vai haver frustração, mas pelo menos é ali, na hora, e não depois, por horas, dias, semanas a fio. Sim, porque nós esperamos semanas a fio. Somos mulheres, mulheres e telefones combinam.
E muito obrigada, Graham Bell.


P.S.: Esse texto tem, sim, tudo a ver com meu momento atual. Tô olhando pro celular enquanto escrevo.


quarta-feira, janeiro 13, 2010

Alguém que FAÇA QUESTÃO

Domingo, pé-de-cachimbo, calor carioca na cidade da garoa. Em casa é que eu não ia ficar, bora pro bar. Em mais uma sessão de Botecologia, estávamos eu e uns amigos naquele papo vai, papo vem,... Começamos o inevitável e infindável debate sobre relacionamentos.
Claro que houve a famigerada guerra dos sexos, afinal, eu era minoria absoluta - única mulher em meio a três homens. Mas depois de muito chororô à toa  escutei uma de um deles - o Paulinho - que fez diferença, não só em mim, mas nos outros também. Vou tentar reproduzir:

"A verdade é que todo mundo procura ALGUÉM. Não qualquer alguém, mas aquele alguém que faça a diferença. Aquela pessoa que, não importa o quanto você diga que não quer casar de jeito nenhum, se for com ele você topa. Aquela pessoa que vai fazer você FAZER QUESTÃO de fazer o que for preciso para estar ao lado dela. Porque quando você gosta de alguém, você FAZ QUESTÃO. Faz questão de estar junto, faz questão que o outro esteja feliz, faz questão de agradar. O triste é se só você estiver nessa vibe, claro. Ou só o outro. Aí fica chato, já que para uma das partes é indiferente. Mas quando os dois fazem questão... aí, sim..."

Me peguei pensando muito nisso, já que eu sou a Srta. Solteirice da turma. E cheguei à conclusão (óbvia) de que é verdade. Tenho amigos que eram solteirões convictos, do tipo "casar nem fodendooooo", que hoje estão casados/morando junto/namorando e juram de pés juntos que nunca foram tão felizes. Eles coçam a cabeça, olham pro lado e dizem "É, a vida de solteiro é boa, mas..." e o sorrisinho diz o resto.
Eu já passei pela situação de fazer questão e o outro não. É horrível, chega a ser humilhante, mas o saldo final pode ser bom, se você entender que não é culpa sua, nem dele, nem de ninguém, simplesmente não era pra ser. E quando é o outro que faz questão? É brabo também, a gente se sente na obrigação de pelo menos tentar retribuir, mas se sente covarde por não dar um ponto final. E quando dá, vem a culpa pelo sofrimento do outro...
No fim das contas, percebi que quero mesmo alguém que me deixe nesse estado, FAZENDO QUESTÃO de apelidinhos carinhosos, de tardes de preguiça no domingo, de ligações de bom dia todos os dias - sim, detesto todas essas coisas, mas são inevitáveis quando se FAZ QUESTÃO de ver o outro feliz. Um amor assim é sempre bom, ainda que acabe logo - ooooops, lá vem meu pessimismo, deixa eu dar uma segurada!
Por enquanto, vou vivendo minha vida de solteira feliz e contente - e com muitas sessões de Botecologia pela frente pra poder postar por aqui -  e vamos ver o que o futuro traz, hehehe