sexta-feira, julho 24, 2009

Dinheiro na mão, calcinha no chão, dinheiro sumiu, calcinha subiu!

Muito bom esse stand-up da Rachel Ripani... Várias dicas, hahahahaha

video

Para todo mundo, um ótimo fim-de-semana!
E que Deus abençoe os políticos do nosso Brasil - é, ando meio deprimida com o noticiário. Vergonha alheia mode ON!

quinta-feira, julho 23, 2009

Carta ao Presidente

Caro Presidente:
É triste, mas tenho que admitir que sou uma pessoa comum.
Meu dia-a-dia não é nada interessante... acordo cedo (sabe como é, moro em São Paulo e pessoas comuns enfrentam o trânsito todo dia, não têm helicópteros...), tomo café-da-manhã com meu filho; aliás, é a melhor parte do meu dia, apesar de estarmos ambos com sono, ainda "esquentando o motor" pro restante do dia. Eu o levo pra escola pública onde ele passa o dia, isso quando tem aula, sabe como é, pessoas comuns não têm dinheiro para pagar uma escola particular, temos que nos contentar com o ensino deficitário para nossas crianças... É complicado, paguei caro pelo uniforme, pago a APM todo mês, gastei uma fortuna em material escolar - mas sinto o desconforto inevitável de que não tenho retorno em ensino de qualidade. Diga-se de passagem, sempre estudei em escola pública - ainda me lembro de um ano em que praticamente não tive aula, por causa das greves. Mas na época até que tínhamos um pouco de qualidade, acredito eu que mais devido aos ótimos professores que eu tinha do que à boa-vontade dos governantes. E quem ia mal nas provas, re-pe-ti-a. Não tinha essa de passar analfabeto, não. Bons tempos, viu, presidente? Mas é comum sentir saudades do passado, né? Fazer o quê, sou só uma pessoa comum.
Depois de deixar meu filho na escola, vou para o ponto de ônibus. Tenho que correr, pois se perder um, outro demora muito a passar. Quase sempre consigo viajar sentada, mas se entra um idoso, uma mãe com criança de colo ou coisa parecida, acabo dando o meu lugar. Sabe como é, essas pessoas saem cedo de casa para ir ao médico, para resolver sua vida (provavelmente passarão o dia inteiro esperando atendimento - SE conseguirem), e eu tenho que me solidarizar, são pessoas comuns como eu.
Esse trajeto dura uma hora e meia, mais ou menos, e aí eu chego ao centro. Vejo gente correndo pra chegar no horário, com aquele rosto cinza de cansaço que todo mundo tem de manhã... quer dizer, todo mundo que é comum. Acredito que nesse horário só pessoas comuns estão chegando ao trabalho. A mesma coisa se repete no final da tarde. As mesmas pessoas comuns estão voltando pra casa, cansadas e com a certeza de que vão enfrentar mais trânsito, mais aperto no ônibus, trem ou metrô, mais estresse... Mas pessoas comuns são assim, o senhor acredita? Elas passam por isso todos os dias, cinco, seis, sete dias por semana. Sim, é verdade, trabalhamos a semana INTEIRA. Não estranhe, é assim mesmo, somos pessoas comuns.
O meu salário... bom, meu salário é uma piada, né, Presidente? Só rindo, mesmo... É uma pena, mas não consigo guardar um dinheirinho pra viajar num feriado, levar meu filho pra passear, nem que seja na praia mais fuleirinha. É que, sendo comum, tenho que pagar passagem de ônibus. Avião?!?!? Imagina, nem parcelando. E no meu trabalho, não temos cotas, sabe? Só o vale-transporte, mesmo. Sou comum.
Minha mãe é aposentada. É uma alegria pra mim - apesar da aposentadoria dela ser por nós chamada carinhosamente de VERGONHA - , porque ela trabalhou muito, em dois empregos, para dar para mim e para minha irmã a educação que tivemos. Meu pai ainda não pôde se aposentar, é muita burocracia, e olha que ele já trabalha há muito mais de oito anos, hein? Meus pais sempre exigiram boas notas, chamar os professores de "senhor", e carrego isso pra sempre na minha vida. Eu nunca tive todos os brinquedos e bobagens que pedia, todo o conforto e luxo que eu via na TV e nas revistas. E, olha, cá entre nós, não sei se o senhor vai acreditar, mas eu nunca fui à Disney. Sabe por quê? Porque sou comum.
Minha casa é própria, graças a Deus, mas o IPTU... tá caro, viu, Presidente? E no meu trabalho não dão auxílio-moradia, às vezes me entristece, porque seria tão bom... Imagina, ser "bancada" pela empresa num apartamento? É, mas fica só no sonho... Eu sou comum, né, Presidente.
Nossa, e se eu indicar um parente ou amigo pra trabalhar na empresa? É fogo, porque tudo que a outra pessoa fizer é responsabilidade minha também. Preciso ficar atenta, nunca indicar alguém que não tenha competência ou não seja qualificado, a penalizada serei eu. Fazer o quê, sou mesmo uma pessa comum.
Pago um convênio médico para mim e meu filho. Compromete meu orçamento, mas foi o único jeito que encontrei de poder ir ao médico quando preciso, e não esperar três ou quatro meses por um agendamento, isso SE tiver médico no dia. Foi o único jeito que encontrei de marcar um horário e ser atendida naquele horário - porque, não sei se o senhor sabe, se eu chegar atrasada no trabalho... me descontam o atraso, sabia? Gente comum é assim.
O engraçado, Senhor Presidente, é que pago meus impostos em dia. Arco com todas as responsabilidades de ser cidadã desse país que, não se engane, eu AMO de verdade. A cada eleição, eu ouço tudo que me é prometido, e mesmo não acreditando muito, dou um voto de confiança aos políticos que escolho não pela campanha, pela carinha bonita, pelo índice de popularidade, pelos padrinhos políticos - mas pelo retrospecto e competência. Doce ilusão, não é? Porque as pessoas que estão no poder, embora não pareça - e eu sei que o senhor não vai concordar comigo - são PESSOAS COMUNS. Devem, sim, respeito à enorme massa que é o povo brasileiro. Devem, sim, satisfações dos seus atos, e merecem, SIM, punições por seus erros. Porque eu, senhor Presidente, EUZINHA aqui, se cometer um erro, um deslize ou um crime, seja pequeno, médio, grande, vou pagar por ele, não tenha dúvida.
Mas quem sou eu, né? Pro senhor e pra todos os políticos que me deixam envergonhada de ser brasileira cada vez que leio as notícias, eu sou só uma pessoa comum.

quarta-feira, julho 22, 2009

Mulher que lê

Informação óbvia para as mulheres e alerta para os homens:

Um casal sai de férias para um hotel-fazenda. O homem gosta de pescar e a mulher gosta de ler.
Certa manhã, o marido volta depois de uma noite pescando e resolve tirar uma soneca.
Apesar de não conhecer bem o lago, a mulher decide pegar o barco do marido e ler no lago.
Ela navega um pouco, ancora, e começa a ler seu livro.
Chega um guardião do parque, pára ao lado do barco da mulher e fala:
- Bom dia, Madame. O que está fazendo?
- Lendo um livro - ela responde, e pensando: será que não é óbvio?
- A senhora está em uma área restrita em que a pesca é proibida. - ele informa.
- Sinto muito, tenente, mas não estou pescando, estou lendo.
- Sim, mas com todo o equipamento de pesca. Pelo que sei, a senhora pode começar a qualquer momento. Se não sair daí imediatamente, terei que multa-lá e processa-lá.
- Se o senhor fizer isso, terei que acusá-lo de assédio sexual. - diz a mulher.
- Mas eu nem sequer a toquei! - diz o guardião.
- É verdade, mas o senhor tem todo o equipamento. Pelo que sei, pode começar a qualquer momento.
- Tenha um bom dia, Madame - ele diz e vai embora.

MORAL DA HISTÓRIA:
Nunca discuta com uma mulher que lê. Certamente ela pensa.



Mulher Lendo, Schmidt-Rottluff

terça-feira, julho 21, 2009

Como irritar uma pessoa (baseado nos signos)


Como sempre, eu não posso deixar de comentar... dessa vez o signo e o ascendente!

COMO IRRITAR UM...

ARIANO
- Fale com ele dando uma enorme pausa entre as palavras.
- Não deixe que ele fale, ou, se falar, corte pelo meio.
- Diga como quer que faça as coisas e fique controlando.
- Não demonstre paixão e aja como se você não gostasse dele.
- Levante a voz cada vez que se quiser fazer entendido.
- Dê uns cascudos na cabeça dele de vez em quando.
- Lembre sempre que eles estão querendo aparecer e, no meio de um grupo, dirija-se a ele, advertindo: "Você fala eu, eu, eu, o tempo todo..."
- Entre sem pedir licença e alugue o tempo deles numa segunda-feira de manhã.

TAURINO
- Gaste o dinheiro dele, peça para dar uma dentada no seu sanduíche ou na sua maçã, desperdice seu material, não devolva suas coisas.
- Fale com ele bem apressado, pulando direto às conclusões.
- Se estiver na casa de um deles, mude a posição dos objetos quando eles não estiverem olhando.
- Se for possível, quebre estatuetas, bibelôs ou outros objetos de decoração da casa deles e depois pergunte: "Isto não tinha mesmo muita importância, não é?"
- Encharque-se de perfume tipo "penteadeira de viúva" antes de andar de carro com ele.

GEMINIANO
- Aborreça-o com lágrimas e longos monólogos sobre sua vida emocional.
- Não converse com ele, em absoluto.
- Monopolize-o numa festa de forma que ele não possa se movimentar e nem conversar com mais ninguém.
- Repita sempre: "De onde você tirou essa idéia?"
- Peça a ele para fazer menos movimento com os braços e com as mãos em público e quando iniciar um assunto, diga: "Isso eu já sei!" Ou então: "- Lá vem você de novo!"
- Abra a porta do quarto dele e berre: "Vai sair desse telefone ou não vai?"

CANCERIANO
- Pegue objetos da gaveta dele e não os reponha no lugar.
- Insulte suas mães, com classe, é claro.
- Critique sua casa.
- Advirta-o de que ele pode perder o emprego ou que uma estrada está para ser construída, passando exatamente onde está situada sua casa.
- Diga que aquela foto de família pendurada na sala é brega, e confunda o retrato da vovó querida com o Mike Tyson.
- Critique todos as ex dele.
- Jogue fora aqueles discos que ele coleciona junto com outras raridades.
- Descubra aquele cantinho onde ele gosta de ficar e dê uma geral, mudando tudo de posição.

LEONINO
- Tente ensiná-lo alguma coisa que ele não saiba e tire um sarro no final, como se ele fosse um completo ignorante.
- Ignore-o.
- Pergunte sempre: "Qual é mesmo o seu nome?"
- Em público, não o apresente às pessoas.
- Deboche do seu gosto, da sua elegância e da sua aparência.
- Quando ele estiver dramatizando uma situação, ria quando o caso for triste e faça caretas quando contar uma piada.
- Quando ele perguntar após a transa: "Foi bom para você?", responda: "Mais ou menos..."
- Não preste atenção em nenhuma de suas histórias e depois diga: "Desculpe, nem ouvi o que você estava falando."
- Tire-o de cena, dizendo: "Depois você fala, tá?"

VIRGINIANO
- Choramingue bastante.
- Desarrume a casa dele, atrapalhe a sua programação e esqueça de fechar a pasta de dente.
- Cheire feito um gambá.
- Diante do armário do banheiro, indague: "Para que tanto remédio?"
- Faça xixi na tampa da privada ou, de preferência, no chão, em volta do vaso.
- Critique o jeito dele se vestir.
- Diga que aquele dentinho torto é um charme.
- Use os vasos de planta dele como cinzeiro e enterre os palitinhos de fósforo na terra.
- Depois de abraçá-lo longamente, revele que você está fazendo um tratamento contra piolho.

LIBRIANO
- Diga bastante: "Isso é com você, decida logo!"
- Leve-o a locais feios.
- Aja de forma grosseira em público, tire melecas, arrote, fale palavrões, vire cerveja na mesa, peça pizza de alho e depois tente beijá-lo. 
- Critique seu parceiro.
- Recuse-se a debater com ele.
- Dê para ele um CD do Tiririca.
- Faça piadinhas do tipo: "Com este vestido você fica parecendo a garota-propaganda da Ultragaz."
- Peça sempre para ele descer do muro e se assumir.

ESCORPIANO
- Faça perguntas pessoais.
- Saiba muito sobre ele e dê a entender isso.
- Obtenha mais sucesso do que ele e se vanglorie disso (isso mata qualquer escorpiano).
- Repita sempre: "Isso não é da sua conta!"
- Abra e remexa suas gavetas.
- Escreva coisas na sua agenda em código e depois deixe que ele a encontre por acaso.
- Cochiche com outras pessoas olhando para ele e rindo de vez em quando.

SAGITARIANO
- Dê a ele muitas responsabilidades.
- Coloque realismo na sua filosofia.
- Nunca ria das piadas dele.
- Não tope nenhuma aventura ou quebra de rotina e esteja sempre de mau humor.
- Quando pintar aquela aventura, diga com ar entediado: "Não estou a fim..."
- Não aceite nenhum tipo de disputa ou jogo.
- Repita sempre: "Isso são horas?"
- Faça tudo para impedir aquela viagem de férias dele.
- Faça insinuações sobre a pouca cultura dos pais dele ou de outros familiares.

CAPRICORNIANO
- Organize tudo para que ele se sinta inútil.
- Lembre-o da sua baixa posição social.
- Embarace-o em público: faça escândalos, berre com ele e brigue com o caixa por causa dele.
- Deixe-o esperando e nunca chegue na hora marcada.
- Perca ou esqueça coisas importantes que ele confia a você, como documentos, chaves ou a carteira.
- Repita sempre: "Você não tem responsabilidade!" (nada chateia tanto um capricorniano como ser chamado de irresponsável)
- Insinue que ele está saindo com a chefe para crescer na empresa.
- Repita, de tempos em tempos: "Você é um chato!"

AQUARIANO
- Torne-se pessoal e íntimo.
- Ao encontrá-lo, dê um longo abraço e fique apertando-o contra o peito, emocionado, lacrimejante.
- Insista para que ele ligue várias vezes ao dia para posicioná-lo de seus movimentos.
- Mude-se para a casa dele.
- Faça-se passar por burro e tapado e ainda queira ter razão.
- Diga a ele o que ele deve fazer, quando e como fazer.
- Exiba seus valores materiais na cara dele, tipo carro, jóias, dinheiro e posição social.
- Pergunte sempre: "O que é que você está pensando?"
- Cite seus amigos sempre pelo nome e sobrenome.

PISCIANO
- Diga para ele se agarrar a si mesmo.
- Marque um encontro com ele num local brilhante, barulhento e superpovoado.
- Deixe-o falando sem parar e depois diga que não entendeu nada.
- Grite, fale aos berros.
- Conte os seus segredos e deixe-os ficar emocionados com a sua sinceridade, depois ria e pergunte: "Mas você acreditou nisso?" 
- Convide-o para olhar as estrelas e fale sobre alíquotas de exportação e importação o tempo todo.
- Arranhe o CD do Djavan dele, apague o cigarro no cristal que ele usa para meditar, deixe cair sua máquina fotográfica e sublinhe os livros que pegou emprestados dele.
- Escolha filmes violentos. 
- Repita sempre que este negócio de romance, flores e bombons é tudo coisa de boiola.
- E pergunte sempre: "Você não vai tomar banho antes de dormir?"

segunda-feira, julho 20, 2009

Locomotivadesgovernadadescendoaladeirasemfreio

Por que a gente é assim?
Quer tudo ao mesmo tempo agora?
Ou melhor, agora, não, ontem, antes do almoço.
Por que a gente quer definições, certezas absolutas, respostas enfáticas?
Por que será?
Pra quê agir desse jeito, como um trem desgovernado?
Atropelamos tudo e todos, passamos por cima dos nossos princípios, fingimos não ouvir bons conselhos, arrumamos desculpas pros erros alheios - tudo isso pra quê?
Pra quê exigir posturas, telefonemas, satisfações?
Aí a gente sofre...
Aí a gente jura que é a última vez!
HAHAHAHAHA
Até o próximo, néam?
Por que será que a gente vê todos os sinais de alerta e mesmo assim... vai em frente?
Será que, mesmo sem querer, exalamos feromônios só percebidos por cafajestes?
Será que é um problema de karma?
Será que, em troca de sermos bem sucedidas, bem resolvidas, inteligentes e poderosas, escolhemos, em algum momento antes de essa encarnação começar, não encontrar nunca a pessoa certa?
Por que nos comportamos como idiotas, sem saber como agir - ou sabendo, mas fazendo tudo ao contrário?
Por que permitimos que os outros nos façam de idiotas?
Por que cedemos quando não deveríamos, e somos irredutíveis quando um pouquinho de doçura não faria mal nenhum?
Por que lemos entrelinhas, interpretamos posturas, gestos, tons de voz - sempre pra pior?
É, pensando bem, um pouco de transparência do outro lado ajudaria nessa questão...
Mas e nós? Pra quê TANTA transparência?
Pra quê jogar nas costas de outra pessoa a responsabilidade pela nossa felicidade?
Pra quê se sentir miserável quando ele não liga no dia seguinte?
Pra quê ficar pensando, pensando, pensando?
Pra quê vestir a melhor roupa, passar o melhor perfume, escancarar o melhor sorriso?
Acorda, menina, no final você vai ver que foi só um cisco...
E logo, logo, vai estar pronta pra começar tudo de novo.