domingo, junho 07, 2015

[SÉRIES] Sense8 - Primeira Temporada Completa

Eu confesso: estava com medo de começar a assistir. A única série original Netflix que eu não curti foi Hemlock Grove, Mas sempre tenho receio de começar a assistir uma série nova e ela não ter continuidade, então fica o apelo, Netflix: eu sei que vocês anunciaram 5 temporadas para Sense8, mas se não for rolar, pelo menos façam uma segunda para despedida apropriada, ok? Vlw flw
Num primeiro momento, a série me lembrou Heroes: pessoas de todo lado do mundo com uma conexão misteriosa entre si. Isso foi ao mesmo tempo bom e ruim - bom, porque Heroes foi uma das poucas séries que eu fiz questão até de comprar em DVD, mas ruim porque... é, quem assistia sabe. E olha que eu já tô me mordendo de alegria por conta de Heroes Reborn!
Sense8 traz a história de 8 pessoas de diferentes partes do mundo que compartilham percepções sensoriais diversas. O elenco é - pelo menos para mim - quase totalmente desconhecido, com exceção de Daryl Hannah (assustadora, mesmo sendo do bem) e do lindo Naveen Andrews, o tipo do cara que mesmo que estiver dando uma surra no herói você acaba torcendo pra ele PORQUE SIM. Outra que é conhecida minha, mas pode não ser de muita gente, é Freema Agyeman, que interpretou Martha Jones, provavelmente a companion mais injustiçada de Doctor Who. O visual dela para Sense8 é um capítulo à parte, mas ela fica linda de qualquer jeito!
Mas Sense8 tem uma coisa a mais que muita série de mistério e ação por aí: o roteiro é ótimo, todas as histórias são muito bem amarradas! Tem momentos de coração apertado e momentos de humor super bem dosados - o episódio em que um dos Sensates (homem) sente as agruras do ciclo menstrual junto com uma das companheiras de grupo foi, sem dúvida, o que eu mais dei risada. Momentos de ação com brigas incríveis pros meninos e momentos fofura de amorzinho guti-guti pras meninas. Cenas de sexo gay e até grupal, cenas com nudez frontal masculina - APRENDE, HBO - tornam a série proibida para puritanos. E uma cena de parto específica me ensinou também a não comer em frente ao note.
Vale ressaltar o espaço que a série dá para gays, lésbicas e até uma trans. Sem demagogia, sem estereótipos desnecessários. A cena em que Nomi conta para Lito uma agressão sofrida quando ainda era criança e atendia por Michael me fez chorar de verdade. Ponto para Jamie Clayton, que passa os primeiros episódios chorando e sofrendo tanto que eu já tava pegando raiva, até ver essa cena e querer apenas um abraço.
Acho que nem preciso dizer que Sense8 ganhou nota máxima e um lugar específico no meu coração. Assisti a primeira temporada inteira de uma vez e já me dói saber que só daqui um ano sai a segunda!! Obrigada, Netflix, por continuar colaborando para o fim da minha vida social! Não para, não, que tá ótimo assim!! :D